Assunto:

No nosso blog queremos mostrar os trabalhos do 4º Ano que fazemos na Escola Praia do Riso. Vamos mostrar nossas aulas de Inglês, Ciências, Geografia, Matemática, Português, História, Informática, Artes e Educação Física.



sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Para finalizar o blog!

"Ninguém vale pelo que sabe,
mas pelo que faz com aquilo que sabe." (Leonardo Boff)

Ass. Professora Juliana

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Como foi fazer o blog?!

Para a gente foi muito legal fazer este blog durante este ano, saber que tem pessoas acompanhando tudo o que a gente estudou ou o que fez.
O 4º Ano curtiu fazer o blog porque a gente queria que mostrassem nossos trabalhos na web (na rede).
Ficamos muito felizes de saber que pessoas de outros lugares do mundo e nacionalidades souberam do nosso trabalho.

Assinado Grupo do 4o Ano

Trabalhos Finais do 4o Ano

Nós, do 4º Ano, fizemos trabalhos para apresentar na confraternização de fim de ano da nossa sala, que foram assuntos da nossa rede.
Nós escolhemos qual o assunto da rede que a gente mais gostou. Então nós nos agrupamos e fizemos o esquema do tema de cada grupo.
O grupo da localização fez uma história em quadrinhos do Sistema Solar até Florianópolis.




O grupo da navegação fez dois desenhos.



O grupo dos indígenas fez bonecos, casas e um animal de argila e montaram um cenário.







O grupo da colonização fez um trabalho no power point e pegaram várias bandeiras de países que colonizaram o Brasil. E outro grupo fez um trabalho com fotos de costumes brasileiros que vieram de outros países. 



O grupo da vida na cidade fez um vídeo como um teatro mostrando fotos de antigamente e agora, comparando-as.




Assinado Grupo do 4o Ano


terça-feira, 11 de dezembro de 2012

PROJETO DA EDUCAÇÃO FÍSICA DO 4º ANO



NO MEIO DO ANO COMEÇAMOS UM PROJETO NA EDUCAÇÃO FÍSICA. ESTE PROJETO É SOBRE A ANÁLISE DE BRINCADEIRAS. A NOSSA PROFESSORA DE EDUCAÇÃO FÍSICA SUGERIU VÁRIAS BRINCADEIRAS E TODOS PARTICIPARAM PARA ALTERAR ALGUMA COISA NA BRINCADEIRA E ASSIM ELAS VIRARAM OUTRAS. NA VERDADE, NÓS “CUSTOMIZAMOS” AS BRINCADEIRAS QUE JÁ CONHECÍAMOS. NÓS NÃO SABÍAMOS ALGUMAS BRINCADEIRAS. EXEMPLO: GRANADA, PÉLICHE, UM OUTRO TIPO DE BASQUETE, ETC.
NÓS EXPERIMENTAMOS E APERFEIÇOAMOS MOVIMENTOS COMO ESQUIVAR, ARREMESSAR, DRIBLAR, CORRER E ETC. PIQUE-BANDEIRA SE TRANSFORMOU EM PIQUE-BOLA, O BOLICHE TRANSFORMAMOS EM “PÉLICHE” (QUE É UM BOLICHE COM OS PÉS).
ESTE PROJETO FOI BEM LEGAL E BACANA!














ASSINADO 4º ANO.

(TEXTO COLETIVO FEITO PELO 4º ANO COM A PROFESSORA MARIANA, NO ÚLTIMO DIA DE AULA DO SEMESTRE.)


segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Passeio ao Centro Histórico de Florianópolis

          Fizemos um passeio no dia 22 de novembro ao Centro Histórico de Florianópolis. Fomos em vários lugares, como: Catedral Metropolitana, Praça XV de Novembro, Palácio Cruz e Sousa, Mercado Público (Box 32, peixarias, lojas de chapéu, panela, calçados, iscas, pet shop, artesanato etc., Miramar, Casa da Alfândega, chafariz e renda de bilro gigante. 
          Fomos lá para melhorar nosso aprendizado sobre a cidade no passado e no presente (ontem e hoje).
          Fomos de van (ônibus) da escola até a Praça da Alfândega. Com a gente foi a nossa guia Stela, que nos ajudou, guiou e mostrou várias coisas, tudo o que falamos antes. 








Assinado: Grupo do 4º Ano

domingo, 2 de dezembro de 2012

Relato sobre a Maquete - Lucas


Florianópolis, 30 de agosto de 2012.
 Relato sobre a Construção da Maquete
           O grupo do 4º ano já estudou sobre os índios e eu vou falar os oito textos: Indígenas Catarinenses, O Povoamento da Ilha, A Ocupação Humana do Brasil, Os Aventureiros do Mar Tenebroso, Primeiros Habitantes, Em Busca de Aventuras. Eu aprendi sobre os índios, o que eles faziam, que música que eles tocam e nós subimos em um morro enorme à pé. E os textos falavam que alguns eram canibais e outros não eram e que eles moravam em lugares diferentes e que eles eram diferentes.
          Eu e meu grupo vimos dois vídeos sobre os índios que eram canibais e os navegadores lutavam, tinha um vídeo de música que fala sobre o Pindorama, eu aprendi que os índios eram parecidos com as pessoas, eles eram amigos das pessoas.
          Nós vimos um vídeo que tinha nomes estranhos, tinha uns desenhos de índios.
      Nós vimos uma aldeia de índios que foi demais, o nome da aldeia é M'Bya e nós compramos uma lembrança e nós vimos algumas casas e uma escola que tinha índios crianças. Caminhamos numa trilha. E nós relemos os textos e anotamos as coisas que nós íamos botar na maquete, nós separamos os grupos para fazer as coisas da maquete e deu tudo certo. Então, eu fiz os índios pescando e os outros fizeram as naus, e nós montamos a  maquete.
         A Ju tirou fotos e desmontamos a maquete.
         E agora nós estamos esperando chegar o dia de montar a maquete.
 Revisores: Lucas, João, Júlia e Juliana 

sábado, 1 de dezembro de 2012

Relato sobre a Maquete - Luisa


FLORIANÓPOLIS, 30 DE AGOSTO DE 2012.
LUISA 

                            RELATO SOBRE A CONSTRUÇÃO DA MAQUETE

     NÓS, O GRUPO DO 4º ANO, FIZEMOS UMA MAQUETE. NÓS COMEÇAMOS  LENDO OS TEXTOS “EM BUSCA DE AVENTURAS”, “PRIMEIROS HABITANTES”, “ AS NECESSIDADES DE CADA UM”, “OS GRANDES DESCOBRIMENTOS”, “PINDORAMA”, “OS AVENTUREIROS NO MAR TENEBROSO” E “VIAGEM À TERRA DO BRASIL”. UM DOS TEXTOS QUE EU MAS GOSTEI FOI “MAR TENEBROSO”, FALA SOBRE QUE EXISTIAM PEDRA IMÃ, ÁGUA FERVENTE E MONSTROS. NUM TEXTO QUE EU LI, FOI QUE ELES ACHAVAM QUE A TERRA FOSSE QUADRADA E QUE LÁ NO HORIZONTE ELES PODERIAM CAIR.
     O NOSSO GRUPO VIU ALGUNS FILMES, COMO “NÁUFRAGOS 1 E 2” E “PINDORAMA”. O VÍDEO “PINDORAMA” É UMA MÚSICA, QUANDO NOSSA PROFESSORA BOTOU, TODOS CANTARAM. O VÍDEO FALAVA COMO O “PEDRO ALVARES CABRAL DESCOBRIU O BRASIL”. UM DIA NÓS FOMOS NA BIBLIOTECA E FOMOS  NUM SITE QUE CHAMA “ISA”, QUE FALAVA SOBRE ALGUMAS ALDEIAS E TRIBOS DE ÍNDIOS. NÓS (AS CRIANÇAS) ESCOLHEMOS UMA TRIBO DE ÍNDIO.
    NÓS VISITAMOS UMA ALDEIA QUE CHAMAVA M’BYÁ NÓS FOMOS NA TRILHA E VIMOS VÁRIAS ÁRVORES QUE É COMO UM REMÉDIO (A CASCA DELA). DEPOIS DA TRILHA NÓS VIMOS  UM MAPA NA PAREDE QUE ELES PINTARAM, NÓS VIMOS UMA FAMÍLIA QUE TINHA DOIS BEBÊS BEM FOFOS. QUANDO A GENTE  FOI NA FEIRINHA, EU COMPREI  UM COLAR.
     RELEMOS OS TEXTOS EM GRUPOS E CADA GRUPO FICOU COM UMA FOLHA PARA  ANOTAR ALGUMA COISA IMPORTANTE QUE DARIA PARA FAZER NA MAQUETE, A GENTE FEZ UM CARTAZ DAS COISAS QUE NÓS  ESCREVEMOS (NO PAPEL QUE A PROFESSORA DEU ). NÓS NOS REUNIMOS EM GRUPO PARA FAZER AS COISAS. TODOS FIZERAM ALGUMA COISA, EU FIZ A “ÁGUA FERVENTE” E ALGUMAS PESSOAS AJUDARAM OUTROS AMIGOS (AS). NÓS MONTAMOS O CHÃO E BOTAMOS AS COISAS (NÃO COLAMOS, ERA PARA AVALIAR), MAS A GENTE FEZ MUITO PEQUENO O CHÃO. A GENTE FEZ OS COMBINADOS AGORA ESTÁ QUASE TERMINANDO.

REVISORES: LUISA, BERNARDO PIZZOLATTI, MANUELA E JULIANA 

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Relato sobre a Maquete - Bia


Florianópolis, 30 de agosto de 2012.
Nome: Bia
                                        Relato sobre a Construção da Maquete
     O 4º aprendeu coisas e coisas, mas não vou resumir, então vou contar tudo do começo. A turma estava estudando sobre os povos indígenas e os portugueses, então para sabermos bastante coisa a Ju trazia informações nos textos, eu queria dizer os nomes deles vocês topam, né? Então eu vou falar os nomes deles: “Os Aventureiros do Mar Tenebroso”, ”Os Grandes Descobrimentos”, “Terra à Vista”, “As Necessidades de Cada Um”, “Pindorama”, “Povos Antigos da América”, “A Ocupação Humana no Brasil”, “Os Índios Carijós”, “O Povoamento da Ilha” e “Indígenas Catarinenses”. Eu aprendi que os portugueses comiam biscoitos duros, carne, peixe, vinho e água contaminada, muitos ficavam doentes por causa que o barco é imundo e o banheiro é mais do que imundo, é imundice total, e as pobres crianças é que costuravam as velas que rasgavam a toda hora, lavavam o convés, limpavam o banheiro. Os índios carijós (Guaranis) eles colhem, pescam, dançam, cantam, caçam, tocam e fazem rituais e outras coisas.
Nós também vimos vídeos Náufragos 1 e 2 e vimos o clipe Pindorama. Eu aprendi sobre o Aleixo Garcia, o primeiro português a ter um filho com uma índia, o filho deles se chamava Aleixo Garcia Filho. O Aleixo Garcia foi morto, mas não se sabe se foi pelos amigos dele, pelo índio uruguaio ou pelos índios que são amigos dele e ele foi o primeiro a ter contato com os índios. Nós fomos no site ISA, nós vimos tribos isoladas, não isoladas, vimos em qual estado tinha tribos e vimos quantos índios havia nas tribos.
A turma foi num passeio. Nós visitamos uma aldeia indígena chamada M’Byá. Nós subimos e fomos para a escola deles, fomos numa casa feita de palmeiras, ficamos numa roda, perguntamos o que queríamos perguntar, fizemos uma trilha, passamos por cinco pontes, vimos três casas que estão preservadas, vimos uma vista linda, voltamos para a escola indígena, fomos na loja de artesanato e voltamos para a escola.
Então depois de tudo que nós fizemos, nós decidimos fazer uma maquete, relemos todos os textos que eu falei no primeiro parágrafo em grupos, então nesses grupos nós tivemos ideias para colocar na maquete. Separamos os grupos para fazer as coisas da maquete, nós fizemos as coisas que são: as falas, castelo, rei, súditos, armas, calabouço, Escola de Sagres, etc... Nós montamos para ver se o tamanho estava bom, mas o tamanho não estava bom e a Júlia fez a América do Sul parecer a Ilha de Madagascar. Nós combinamos que a Ju faria o contorno e pegaríamos imagens da balestilha, astrolábio e quadrante.
FIM!!!!!
Revisores: Bia, Laura, Lívia e Juliana

Relato sobre a Maquete - Júlia


Florianópolis, 19 de novembro de 2012.
Júlia 

Relato sobre a Construção da Maquete

                          Nós, o grupo do 4° Ano, estamos fazendo uma maquete sobre a chegada dos europeus. Bom eu vou contar sobre como tudo começou.
                        Tudo começou com alguns textos eles se chamam: “O Povoamento da Ilha”, “Primeiros Habitantes no Brasil”, “A Ocupação Humana no Brasil”, “Povos Antigos da América”, ”Pindorama”, “Os Aventureiros dos Mares Tenebrosos” e “Terra à Vista”! Com estes textos eu aprendi muitas coisas como: com o texto “Primeiro Habitantes no Brasil” eu aprendi sobre os primeiros habitantes no Brasil, com o texto “A Ocupação Humana no Brasil” eu aprendi sobre a ocupação humana no Brasil inteiro, com o texto “Povos antigos da América" eu aprendi sobre os povos de antigamente que moravam na América...                     
                         Depois nós vimos dois vídeos (Náufragos um e Náufragos dois). Depois vimos um clipe chama “Pindorama”. Com o vídeo (Náufragos 1 e Náufragos 2) eu aprendi que o vídeo falava sobre o Aleixo Garcia que foi para o Brasil, ele encontrou uma tribo de índios... Nós fomos no site ISA (Instituto Sócio Ambiental). No site nós vimos as tribos indígenas atualmente, cada um de nós escolheu uma tribo para ver.                                 
                           Nós visitamos uma aldeia que se chama M’Biá. Bom, lá foi muito legal, nós fomos de van da escola até Biguaçu. Nós entramos na escola da aldeia e entramos numa casa de reza da escola. Depois fizemos uma trilha na aldeia e quando nós acabamos fomos numa loja de artesanato produzida pelos índios daquela aldeia. Eu comprei um arco e flecha e uma zarabatana. 
                                 Nós relemos os textos e anotamos o que dava para fazer na maquete. Nós separamos os grupos para as coisas da maquete e nós fizemos as coisas da maquete. Nós avaliamos o tamanho, mas não coube. Nós combinamos com a nossa professora, a esquecida, que ela faria os contornos dos países e traria: astrolábio, quadrante e balestilha, e ela já esqueceu quatro vezes.

Revisores: Júlia, Ana Clara, Bia e Juliana                                

Relato sobre a Maquete - Bruno


Florianópolis, 30 de agosto de 2012.

Relato sobre a Construção da Maquete

Eu e minha turma estamos fazendo uma maquete. Para isso tivemos que ler vários textos: Indígenas Catarinenses, O Povoamento da Ilha, Primeiros Habitantes, A Ocupação Humana no Brasil, Pindorama, Terra à Vista, Os Aventureiros do Mar Tenebroso, O Descobrimento e a Exploração da América e muitos outros. Eles diziam que os índios vieram pelo Estreito de Bering, que fica entra a Ásia e a América. Também diziam que os franceses apoiavam os índios para ficarem com as terras.
Também vimos dois vídeos chamados “Náufragos I e II”, que eram sobre um homem chamado Aleixo García. Ele era um capitão que descobriu Uruguai e Argentina. Quando ele estava voltando, uma tempestade o pegou e ele naufragou na praia de Naufragados, por isso o nome. Lá ele foi descoberto pelos índios guaranis, assim como seus companheiros, então ele viveu por oito anos lá, se casou e sua mulher engravidou. Até que um dia os índios resolveram contar-lhe um antigo segredo. Eles mostraram-lhe uma peça inca e um montão de moedas incas. Os guaranis contaram que antes do Império Inca acabar, eles foram para lá, mas foram expulsos de lá. Então ele organizou uma expedição para lá, mas morreu no Paraguai. Também visitamos o site “ISA”, que era sobre os indígenas atuais. E vimos que há mais de cem povos no Brasil.
Depois de um tempo fomos visitar a aldeia guarani M’Bya e fizemos uma trilha para um lugar com casas antigas. Lá os índios contaram que os guaranis já sabiam que a terra era redonda. Por isso eles faziam casas redondas e eles só faziam casas quadradas porque o homem branco dizia que a terra era quadrada.
Depois de tudo isso nós relembramos os textos e fizemos anotações. Separamos os grupos para fazer as coisas. Montamos as coisas e depois vimos que o chão estava muito pequeno para colocá-las.
Revisores: Bruno e Juliana

Relato sobre a Maquete - Larissa


Florianópolis, 30 de agosto de 2012.
Nome: Larissa
Relato Sobre a Construção da Maquete
        Nesse ano, nós do grupo do 4º ano, estamos fazendo uma maquete. Tivemos para facilitar o nosso desempenho na maquete, algumas leituras, textos: Indígenas Catarinenses, Índios Carijós, As Necessidades de Cada Um, Terra à Vista e Em Busca de Aventuras. Os textos falam sobre índios que trabalham para fazer trocas, objetos como espelhos, flechas, esstas flechas eram para matar os animais como: peixes, boi e vaca etc...Tem textos que falam sobre os índios, que tem roupa normal, como as dos catarinenses. Nós do grupo do 4º ano, aprendemos que, quando falamos dos índios, está errado porque não são todos os índios que fazem as mesmas coisas; como tem alguns que ficam pelados e outros com roupa, como camisa, vestido, shorts. Ah, também sei que tudo que me perguntarem sobre os índios a ideia sempre será, alguns sim e outros não, por exemplo: uns pintam o rosto e outros não!
       O segundo passo para deixar o nosso raciocínio mais ágil: nós vimos os filmes Náufragos 1 e 2 que conta sobre o incrível Aleixo Garcia, foi o primeiro europeu a encontrar os índios em Florianópolis, Santa Catarina e também vimos, o filme Pindorama, nesse vídeo apareceu a chegada de Cabral no Brasil e tinha uma musiquinha do Pindorama.
      Visitamos um site chamado “Isa” que quer dizer, Instituto Sócio Ambiental, que era sobre algumas tribos agora no presente. O site quer dizer que algumas tribos são mais adiantadas, principalmente os jovens, com aproximadamente 30 a 45 anos, e alguns possuem celular, os mais velhos às vezes não tem isso.
      Na aldeia M’BYA, eu não fui porque estava doente, mas ouvi alguns colegas falarem, que tinha feiras de compras e que o banheiro só tinha lá embaixo na escola, então eles só poderiam ir uma vez. Sei que lá tinha uma escola para os índios se alfabetizarem e, melhor, aprendi que alguns deles sabem falar em português, eles aprendem sobres nós (não índios).
      Nós relemos os textos para fazer a maquete, os textos relidos foram As Necessidades de Cada Um e etc.. Relemos os textos em grupo, fizemos anotações e assim decidimos fazer sorteio, as anotações sobre os centímetros de cada objeto, fizemos assim: as pessoas mais ou menos 15 centímetros, árvores com mais de 15 centímetros, navios mais ou menos 30 centímetros, castelos mais de 40 cm, animais mais ou menos 5cm. Fizemos as coisas como: pessoas, árvores, navios, castelos e animais, recortamos tudo e pronto. Montamos para avaliar e vimos que as crianças não conseguiram fazer o contorno dos países da maquete, ficando pequeno e errado.
      Foi então que combinamos com a Ju, (nossa querida prof.) ia fazer o contorno e aumentar o lindo mar e fazer a bastilha, astrolábio, quadrante e etc. Ficando tudo muito bom e bonito de ver, e esse é o meu relato.
FIM!!!!

Revisores: Larissa e Juliana 

Relato sobre a Maquete - Victor Rocha


                  Florianópolis, 29 de novembro de 2012.
   
                                   Relato sobre a Maquete
    
                         Nós, do 4o Ano, lemos 8 textos, eles se chamam: O Povoamento da Ilha, Indígenas Catarinenses, Primeiros Habitantes, Os Índios Carijós e etc. Eles foram muito legais de ler, também sublinhamos as palavras-chave que a professora ditava, os textos falam sobre os índios e os navegadores. Nós vimos um vídeo chamado “Náufragos 1 e 2”e eu aprendi que existiam índios canibais. A gente foi em um site chamado ISA e cada um do 4o Ano escolheu uma tribo, nesse site dizia se as tribos que escolhemos ainda existem ou não.
                          Fomos numa aldeia chamada M’Byá, entramos e fomos numa casinha que nós sentamos e fizemos perguntas, a gente fez uma trilha no mato e subimos e descemos, vimos a escola dos índios, descemos para ir embora só que antes paramos numa loja de artesanato e compramos coisas, voltamos para a escola. Ouvimos uma música chamada Pindorama. Era muito legal e contava sobre os índios e os navegadores.
                                       Relemos os textos em grupo, a professora deu uma folha para cada grupo para anotar as coisas para a maquete, foi muito legal,  eu fiz uma casa e ornamentos e etc. Nós fizemos uma maquete, pegamos todas as coisas feitas pelo 4o Ano, um papel azul e quatro pedaços de papelão, colocamos para parecer com os continentes, botamos as coisas feitas pelo 4o Ano, então combinamos que a professora fará o contorno do continente e nós vamos pintar os continentes.
  

Revisores: Victor Rocha e Juliana

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Relato sobre a Maquete - João Vitor


Florianópolis, 30 de agosto de 2012


João 

Relato sobre a Construção da maquete

     O 4º ano está fazendo uma maquete e para isso fizemos várias coisas, lemos 8 textos e vou falar alguns: Pindorama, Em Busca de Aventuras, As Necessidades de Cada Um, Terra à Vista e etc... Com esses textos eu fiz novas descobertas, descobri que não foi Pedro Álvares Cabral que descobriu o Brasil, que os índios já estavam aqui, novos navegadores como os Vikings, que eles que descobriram a América do Norte, ah! acabei de me lembrar que aprendi sobre os nomes do Brasil, que antes de ser Brasil o primeiro nome dado foi Pindorama, depois de alguns nomes foi Brasil e agora é República Federativa do Brasil. Pode procurar nos documentos que vai estar escrito isso. Também descobrimos outras coisas, mas são muitas, então não vou contar o resto. Vou falar o que aprendi com os textos: que os índios têm as tribos e as aldeias e as diferenças entre elas, as necessidades de cada um, o que eles faziam, os alimentos que cultivavam, algumas palavras que eles falavam, como Curitiba ( curi é muito e tiba é pinheiro), algumas armas deles e  nomes de tribos.
     Vou contar filmes que nós vimos: Navegantes 1 e 2, conta sobre um homem que teve o primeiro filho mestiço, que foi aceito pelos índios, mesmo sendo europeu foi aceito, e vimos um vídeo chamado ``Pindorama´´ que era do grupo Palavra Cantada. Com os vídeos aprendi nomes de novos navegantes, existiam índios canibais , que para ser índio não precisa fazer várias coisas, é só eles te aceitarem. Fomos a um site chamado ISA que ele falava sobre  os índios.
     Em um dia nós fomos  a uma aldeia chamada ``M’Bya ´´, lá aprendemos alguns rituais indígenas e etc...
     Nós relemos aqueles textos só que em grupo, cada grupo fez uma anotação sobre o que nós faríamos na maquete, depois nós separamos os grupos que iam fazer o que na maquete, montamos para saber se estava bom ou se estava ruim e realmente ficou ruim o tamanho. Por último o combinado dos desenhos eram contornar a figura, recortar a figura, pintar e montar a figura.

Revisores: João e Juliana 

Relato sobre a Maquete - Bernardo Pizzolatti


Florianópolis, 27 de novembro de 2012                           
Nome: Bernardo Pizzolatti
Relato da Construção da Maquete.

Nós lemos textos para começar uma maquete, nós lemos textos como foi o povoamento da Ilha, Brasil Terra à Vista, Em Busca de Aventuras. Nós aprendemos sobre o povoamento de Florianópolis, sobre as naus e caravelas e as navegações.
Os textos falavam sobre naus, sobre os índios e os portugueses e a chegada dos portugueses ao Brasil.
Nós vimos um vídeo que se chamava Náufragos e falava  sobre um português que se casava com uma índia, nós aprendemos mais sobre os índios e sobre os europeus, nós também entramos num site que tinha os nomes de todos os nomes de todos as tribos do Brasil atual.
Nós visitamos uma aldeia indígena, fizemos uma trilha, fomos numa casa feita pelos índios de antigamente e havia algumas palavras em tupi guarani e vimos um mapa da aldeia que se chama M’Byá. Nós relemos os textos que nós lemos para a maquete, fizemos anotações sobre os textos e reunimos alguns papéis.
Depois começamos a separar os grupos que iam fazer as coisas como naus, europeus, índios, castelos, florestas, palmeiras etc... Começamos a fazer as coisas que demoraram 3 dias, depois fizemos os continentes e tudo ficou amontoado e a Juliana fez os continentes porque estava dando rolo.
Agora só falta pôr as coisas no lugar e pintar os continentes como eles eram em 1500, a época do descobrimento do Brasil.

FIM

Revisores: Bernardo Pizzolatti e Juliana

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Relato sobre a Maquete - Beatriz


Florianópolis, 30 de agosto de 2012.
Beatriz                    
                                   Relato sobre a Construção da Maquete

      Nós do 4º Ano lemos 7 textos, e o nomes deles são: ’’Indígenas Catarinenses’’, “O Povoamento da Ilha’’, ‘’Primeiros Habitantes’’, ‘’As Necessidades de Cada Um’’, ‘’Terra à Vista!’’. Eu aprendi que antes de todos nós existiam os índios, que foram muito importantes para o Brasil e para nós. Estes textos falam sobre os índios, Europa, europeus e os navegadores.
      Vimos os vídeos ‘’Náufragos 1 e 2’’ e o vídeo que é também a música ‘’Pindorama’’. Eu aprendi que o Brasil antes de ser descoberto chamava-se Pindorama e descobri que o Aleixo Garcia se casou com uma índia e eles tiveram um filho que se chamou Aleixo Garcia Filho. O nosso grupo foi na biblioteca da nossa escola e lá fomos no “site” ISA que fala sobre as tribos atualmente, os nomes delas e fotos das tribos.
        Fomos para uma aldeia indígena que se chama M’Byá e o Richard, o nosso monitor, nos mostrou um monte de lugares junto com o Passo  Fundo, nosso outro monitor. Os lugares são a casa de reza, onde todas as pessoas da tribo rezam e fumam com outro tipo de cigarro que é de madeira, a casa das mulheres grávidas, que serve para as mulheres ganharem o bebê delas e depois elas vão para a casa com os seus bebês.Vimos a família do Passo Fundo. A filhinha dele é muito fofa.
       Nós lemos alguns textos em grupos de 3 e 4 pessoas, depois anotamos as coisas mais importantes para cada grupo num papel de rascunho.Separamos os grupos para desenhar os bonecos, monstros do mar, naus e caravelas e montamos a maquete para avaliar se ia ficar boa ou não, e não ficou boa. Então nós desmontamos a maquete inteira e combinamos com a nossa professora muita esquecida, de novo, ela esqueceu de imprimir o quadrante, a bússola e o astrolábio.
                                        Revisores: Beatriz, Ana Luiza, Luísa e Juliana

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Relato sobre a Maquete - Ana Clara


Nome: Ana Clara 

Relato Sobre a Construção da Maquete


         Na turma do 4º ano, que por acaso eu participo, estamos fazendo uma maquete sobre a colonização do Brasil, sobre os índios e sobre os portugueses.
         Começamos lendo alguns textos, são eles: “Primeiros Habitantes”, “A Ocupação Humana no Brasil”, “Em Busca de Aventuras”, “Pindorama”, “As Necessidades de Cada Um”, “Terra à Vista”, “Os Grandes Descobrimentos”, “Os Aventureiros do Mar Tenebroso”, etc.
         Os textos falam sobre as chegadas ao Brasil, sobre a vida dos índios, sobre as navegações, sobre a sobrevivência no navio e as características das naus e caravelas. Nós aprendemos sobre isso tudo: índios, naus, caravelas, portugueses...
         Depois vimos dois vídeos. “Pindorama”, que é uma música que a letra contava a história do Brasil, e outro, era um filminho “Náufragos I e II”, fala sobre o que os portugueses queriam e, uma coisa se destacava bastante, a vida de Aleixo Garcia e sobre o Aleixo Garcia Filho.
         Aprendemos sobre muitas outras coisas dos portugueses e sobre os índios. Fomos à biblioteca da escola e vimos um site sobre índios que vivem hoje em dia (ISA – Instituto Sócio Ambiental). Ele fala sobre as tribos de hoje em dia, as localizações delas, os costumes delas, a sobrevivência e um pouco mais.
         Nós visitamos uma aldeia Tupi-Guarani, chamada M'Byá, lá em Biguaçu. Lá nós paramos na casa de reza, para falar como é a trilha e tirar algumas dúvidas. Depois, fizemos uma trilha no meio da mata, paramos algumas vezes para conversar. Eles explicaram algumas coisas lá, vimos alguns costumes e vimos como eram as casas deles antigamente. Antes de sair, conversamos um pouco com os índios, vimos alguns números desenhados e pronunciados em Tupi-Guarani. Logo depois, fomos na lojinha de lembranças, lá eles vendiam coisas feitas por eles mesmos, como: arco e flecha, colares, potes de palha, pulseiras, instrumentos e outras coisas. Saímos de lá e fomos para o ônibus ir embora.
         Outro dia relemos aqueles textos que eu logo falei ali no início, então, continuando, lemos aqueles textos em grupo, dividimos os textos em uns quatro grupos para reler. Cada grupo anotou em um papel coisas que estavam no texto que davam para fazer e colocar na maquete. Logo depois, escolhemos coisas para trazer e botar ao lado da maquete que tinham a ver. Nossa professora Juliana ficou de trazer imagens de balestilha, astrolábio e quadrante, mas como é muito esquecida, ainda não trouxe.
         Continuando, dividimos em grupos para fazer coisas para cada tema, como: Europa do século XV, caravelas e naus, europeus, Brasil, mar e índios. Nos grupos, separamos coisas para fazer entre nós. Ficamos alguns dias fazendo essas coisas. Tivemos que esperar alguns dias para a Ju (nossa professora) colar os pezinhos.
         Quando secou, montamos a maquete para avaliar se precisávamos aumentar alguma coisa ou pedir mais material. Pois tivemos que pedir porque faltou espaço.
         Fizemos alguns combinados sobre o que faltou fazer, como: pintarmos o chão da maquete, mais um lembrete de nossa professora de pegar imagens de balestilha, astrolábio e quadrante, e também recortar algumas coisas...
         É isso que tenho até hoje para contar para vocês!!!

Nome dos revisores: Ana Clara, Victor Rocha, Vitória e Juliana

Relato sobre a Maquete - Bernardo Bolonha


Nome: Bernardo - 4º Ano – Professora Juliana.

Relato sobre a Construção da Maquete

O grupo do 4º ano se preparou para maquete e nós lemos sete textos, os nomes deles eram: Em Busca de Aventuras, Primeiros Habitantes, Povos Antigos da América, Terra à Vista, Os Grandes Descobrimentos, A Exploração na América, As Necessidades de Cada Um. Eu aprendi que os navegadores descobriram a América, eles foram guerreando com os índios e foi diminuindo a população de índios por isso a população de índios é tão pouca. Os textos falavam sobre os índios, navegadores e os primeiros habitantes.
Nós, o grupo do 4º ano, vimos um vídeo chamado Náufragos 1 e 2. Também vimos o clip Pindorama. Eu aprendi com o vídeo náufragos que Aleixo Garcia casou com uma índia e que tiveram um filho chamado Aleixo Garcia filho. E o Aleixo Garcia foi morto por índios não se sabe de qual tribo. Eu aprendi com o clip Pindorama que descobriram o Brasil e começaram a colonizar o Brasil. Fomos à biblioteca da escola e nossa professora levou um laptop para o 4º Ano ver um site ISA (Instituto Sócio Ambiental) era sobre tribos indígenas do presente e foi muito legal porque todas as crianças escolheram uma tribo indígena, qualquer uma que estivesse lá. Depois de duas horas escolhendo tribos indígenas, a que eu escolhi foi `tucano´´ tinha a população das tribos, quantas pessoas tinha na tribo, o nome do cacique e etc.
Nós fomos nos preparando para fazer o passeio para uma aldeia de índios chamada M´Byá e foi super legal. Nós saímos da escola 13h30min da tarde e voltamos 16h15min, lá na tribo nós tivemos que subir uma rampa gigante e vimos uma escola deles e estava escrito na linguagem deles (tupi guarani). Depois nós fomos na casa de reza e eles cuspiram no chão, era muito nojento e no meio da casa de reza tinha uma fogueira e os índios disseram que as crianças indígenas poderiam fumar cachimbo só que a fumaça não se engolia. Nós fomos fazer uma trilha no meio do mato e no centro tinha uma árvore gigante que representava tupi guarani e nós paramos numa cabana e depois nós voltamos para a escola vendo TV no micro-ônibus.
Então, outro dia nossa professora dividiu grupos em quatro para lermos 1 ou 2 textos para fazer uma maquete e pegamos anotações e informações para usar na maquete. Nós anotamos coisas e coisas para colocar na maquete e isso demorou uns quatro dias. Depois, nós separamos grupos para desenhar e fazer os bonecos. Os grupos eram: Europa no século XV, europeus, mar, caravelas e naus, Brasil e índios. Depois nós montamos todas as coisas, montamos tudo para avaliar tudo e estamos fazendo os últimos preparativos para depois colocar na amostra de trabalho.
Revisores: Bernardo Bolonha, Mano (Pedro Henrique), Victor Gouvêa e Juliana








Relato sobre a Maquete - Ana Luiza


     Dia:18/11/12 - Nome:Ana Luiza 
          
 Relato sobre a construção da maquete

Nós, a turma do 4°Ano, estamos aprendendo e estudando sobre as navegações e agora os indígenas. Nós lemos alguns textos, os nomes deles são: ”Primeiros Habitantes”, “Pindorama”, ”Viagem à Terra do Brasil”, ”As Necessidades de Cada Um”, ”Os Grandes Descobrimentos “, ”Terra à Vista!”, ”Os Aventureiros do Mar Tenebroso”, ”O Descobrimento e a Exploração da América” e “Em Busca de Aventuras”. Nós aprendemos quase tudo de navegação, nós vimos que os navegadores “imaginavam” que existiam monstros, águas ferventes e etc, aprendemos algumas coisas que não sabíamos. Os textos falam que eles tinham medo, que eles eram nojentos, que vomitavam nas naus e caravelas, quando a pessoa morria eles jogavam no mar o corpo, não comiam quase nada, as frutas e as comidas apodreciam porque naquela época não existia geladeira, lá só tinha um banheiro que era só para pessoas importantes, os escravos faziam suas necessidades nas naus e caravelas, eles limpavam raramente as naus e caravelas. Antes de se tornar navegadores eles primeiro tinham que passar pela Escola de Sagres ou escola de navegações, aí vem a embarcação, tinha que passar por mais uma etapa, tinha que comprar o barco, escolher o nome, pintar o barco, tinha que ver o que ele poderia fazer e perguntar para a família. Nós vimos o vídeo chamado”Pindorama” que é um vídeo educativo para nós, crianças, e fala sobre a chegada no Brasil que é assim: foi um plano imperial e no dia 22 de abril Cabral encontrou Vera Cruz (ele deu este nome por causa da sua esposa que chamava Vera), ele não só viu,”descobriu” toda a terra do Brasil, Pero Vaz disse em uma carta ao rei que no altar, sob a cruz, rezou missa ao nosso rei, mas depois seu Cabral foi saindo devagar do país tropical para as índias encontrar, o Cabral não entendia tupi, se mandou para o mar encontrar índias em outro lugar deu chabu, deu azar, mas não quiseram voltar.
Nós vimos o vídeo “Náufragos” parte I e II. A parte I fala que o Aleixo Garcia vai para o Brasil e descobre que lá havia ouro, fica amigos dos índios e deixa seus amigos antigos para trás. E na parte II ele se casou com uma índia e teve um filho chamado Aleixo Garcia Filho, o Aleixo Garcia morreu, sendo a morte dele considerada é um mistério. Eu aprendi que os índios são que nem a gente por isso não precisaria existir preconceito sobre os índios, o Aleixo Garcia nos ensinou a viver com pessoas diferentes ele é o nosso exemplo e nós temos que seguir.
Nós fomos numa aldeia indígena, conhecemos alguns índios, exploramos a aldeia que se chama M’ BYÁ. Nós fomos à lojinha que foi eles que fizeram, foi muito legal e compramos objetos e vimos um site chamado ISA.
Nós relemos os textos, aqueles do início, escolhemos os grupos, fizemos algumas anotações, fizemos os objetos da nossa maquete, montamos e analisamos e os preparativos, combinados são: Ju: Fazer os contornos e recortar (astrolábio, balestilha e quadrante) e crianças: montar de novo e colorir.

Revisores: Ana Luiza, Beatriz, Bernardo Bolonha e Juliana    

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Relato sobre a Maquete - Laura


Florianópolis, 30 de agosto de 2012.
Nome: Laura S. C.                                                                                        4º Ano

Relato sobre a Construção da Maquete

Lá pelos meses de maio, junho e julho, nós do grupo do 4º Ano lemos oito textos, os nomes deles eram: Terra à Vista, Os Grandes Descobrimentos, Primeiros Habitantes, A Ocupação Humana no Brasil, Pindorama, Em Busca de Aventuras, As Necessidades de Cada Um e um trecho do livro Viagem à terra do Brasil. Lendo esses textos eu aprendi o que os portugueses ofereciam ao índios, o que os portugueses queriam e o que estavam procurando. Estes textos falam sobre os índios, a chegada dos portugueses, a invasão dos franceses e as naus e caravelas dos portugueses.
Em agosto, o 4º Ano viu uns vídeos chamados Náufragos I e II, também vimos o vídeo chamado Pindorama. Eu aprendi que o Aleixo Garcia tinha um filho chamado Aleixo Garcia Filho e que ele entrou para dentro de Santa Catarina e foi até Machu Picchu. Depois de ver os vídeos, nós fomos até a biblioteca e entramos no site chamado ISA, lá nós vimos um monte de nomes de tribos, vimos a quantidade de índios de cada tribo, também vimos quantas tribos tem em Santa Catarina e Rio Grande do Sul.
No dia 9 de agosto, nós fomos numa aldeia chamada M’Byá. Quando nós chegamos fomos para uma casinha de palha e madeira tirar nossas dúvidas e falar sobre a trilha que nós íamos fazer depois da conversa. Depois de uns vinte minutinhos partimos para a trilha. Vimos aranhas e tucanos, no meio da trilha paramos para conversar sobre a árvore mais velha da aldeia, eu fiquei impressionada, a árvore tinha uns cinco metros de altura. Depois nós fomos para uma casinha de madeira e folha e descansamos e conversamos sobre a trilha, depois fomos para uma loja de artesanato. Essa loja ficava dentro da aldeia, lá nós compramos cestos, arco e flecha, zarabatanas, colares e animais de madeira. Depois de comprar, voltamos para a escola e fizemos uma tarefa sobre a aldeia M’Byá que nós visitamos.
Lá pelos dias 18, 19 e 20 de agosto, nós relemos os textos que eu mencionei no começo, só que em grupos. Depois de lermos os textos, fizemos anotações em grupos e depois colocamos no quadro todas as anotações de todos os grupos, as anotações falavam sobre a Europa no século XV, europeus, mar, caravelas e naus, Brasil e índios. Depois separamos os grupos para fazer os bonecos e outras coisas da maquete. Depois de separar, começamos a fazer as coisas, demoramos três aulas para terminar as coisas. Depois montamos a maquete para avaliar se estava um tamanho bom ou não, avaliamos e não estava um tamanho bom. Depois a Ju anotou no quadro o que nós vamos fazer: vamos colorir os continentes e a Ju vai contornar e expandir a maquete.

Revisores: Laura, Pedro Henrique, Victor Gouvêa e Juliana.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Relato sobre a Maquete - Manuela


              Florianópolis, 30 de agosto de 2012.
                                     Manuela

             Relato sobre a Construção da Maquete

            No primeiro semestre, nós do grupo do 4º ano lemos oito textos, para nos prepararmos para fazer uma maquete. Seus nomes são “Terra à Vista”, “O povoamento da Ilha” , “Primeiros Habitantes”, “As Necessidades de Cada Um”, “Em Busca de Aventuras”. Aprendi várias coisas como: o que os navegadores de 1500 levavam de alimentos para suas viagens, o que acontecia nas viagens... Os textos falavam também dos tripulantes das naus e caravelas.

           O 4º ano viu vídeos “Náufragos l e ll” e “Pindorama”, à princípio todo mundo gostou muito. Eu aprendi que a vida dos índios não era e não é fácil como parece... Também entramos num site chamado ISA, que tinha mais de mil tribos de índios de hoje em dia.

           Fomos visitar a tribo indígena M’Byá, foi muito legal, foi assim: chegamos lá  e:conversamos, fizemos uma trilha, conversamos, descemos e fomos sua loja própria de artesanato.Descobri várias coisas, foi realmente muito legal.

            Relemos os oito textos em grupos de quatro pessoas cada. Foi bem divertido, além de reler, também anotamos as principais informações... Separamos cinco grupos para fazer os desenhos, que ficam em pé na maquete, e a fizemos. Demorou duas aulas para fazer os desenhos, em compensação foi bem legal. Uma semana depois com tudo feito montamos (a maquete), o chão dela havia ficado pequeno. Agora o que falta é os últimos preparativos, eles são: a professora fazer os contornos dos continentes, recortar (astrolábio, balestilha e quadrante), aliás a professora já anotou quatro vezes e ainda não trouxe, e as crianças do 4º ano ficaram de pintar e montar de novo para ver se o tamanho está adequado.

                                         Autora:Manuela.
                            Revisoras: Manuela, Laura, Lívia e Profª Juliana

O.B.S.: As crianças escreveram individualmente um relato sobre a maquete que foi revisado várias vezes ao longo do semestre e, agora, é postado para que todos possam ler.
Professora Juliana

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Relato sobre a Maquete - Pedro Henrique


Relato sobre a Construção da Maquete
Eu e meus amigos fizemos uma maquete, uma coisa que nós fizemos é os índios, e nós lemos oito textos ,a maioria de duas  folhas ,os nomes deles são: ”Indígena Catarinense”, “Terra à Vista”, “O Povoamento da Ilha”, ”Pindorama”, “As Necessidades de Cada Um”, “Os Grandes Descobrimentos”, “Os Grandes Navegadores do Século  XV e XVI. Eu aprendi muitas coisas, exemplo: sobre os naus, caravelas, índios, etc. Eram todos legais. O que eu mais aprendi foi sobre as caravelas, índios, navegadores, portugueses,e os descobrimentos.                                                                                                        
Teve em vídeo que a Ju mostrou para gente, era sobre um homem que veio ao Brasil. E acabou virando índio, ele teve um filho que ele pôs o mesmo nome dele, e a gente viu o filme um e o filme dois, foi muito legal. Teve outro clipe que se chama Pindorama, ele é muito legal. E eu aprendi que os índios e os europeus brigaram pelo Brasil, e eles trocavam riquezas com os índios. Teve um site que a Ju mostrou para a gente que se chama ISA que mostra tribos indígenas, isoladas, pobres, ricos, de hoje em dia.
           Depois a nossa turma foi em uma aldeia, quando a gente viu a aldeia a gente percebeu que era como as nossas casas, hoje em dia eles têm carros e eletrônicos. Depois nós fizemos uma trilha, a maioria das árvores tinha um nome em guarani, algumas tinham a tradução para o português, outras não, e algumas eram muito engraçadas em guarani, vimos a árvore que simboliza a aldeia deles. Continuamos a trilha, passamos por cinco portões, e por fim acabou a trilha. Fomos em uma loja que eles mesmos faziam as coisas, compramos e demos tchau para toda a aldeia.
           E nossa turma leu todos os textos em grupo, de novo a gente pegou as informações necessárias, separamos os grupos, alguns com três e outros com quatro, e depois fizemos as naus, caravelas, índios, português, calabouços, castelo, barco menor, rei, escola, armas, súditos, capitão, criança, barbeiros, escrivão, padre, astrolábio, balestilha, quadrante, pessoas doentes, rede, ornamentos, roupas, casas, palmeiras, floresta tropical, franceses invadindo, monstros misteriosos, água fervendo, pedras imã, igreja, placas e índios pescando e colhendo.
           Nós montamos e  avaliamos se essas coisas davam para fazer , todas davam para fazer, agora vamos fazer os últimos retoques que são pintar o chão dos países e contornar os países.                                           
Nome dos revisores: Pedro Henrique, Vitória, Victor Rocha e Juliana
Pedro Henrique 


O.B.S.: As crianças escreveram individualmente um relato sobre a maquete que foi revisado várias vezes ao longo do semestre e, agora, é postado para que todos possam ler.
Professora Juliana

Relato sobre a Maquete - Lívia


Relato  sobrE a construção da maquete

           
            Nós  lemos 8 textos , que  são  esses: “Mar Tenebroso”,” Em Busca de Aventura”, ”Pindorama” , “Terra à Vista” , “Os Grandes Descobrimentos” , “Indígenas Catarinenses” e “Homens de Sambaqui”. Nós aprendemos que tinha uns 14.000 índios em Santa Catarina e agora só tem 3.000. Os textos falavam que quando os portugueses chegaram, queriam trocar pau-brasil por bugigangas tipo armas, miçangas, espelhos, pente e pedaços de pano.
            Nós também vimos “Náufragos”, um vídeo que tinha parte um e parte dois. O vídeo falava que existiam alguns índios canibais e um português que se chamava Aleixo Garcia que teve um filho com uma índia e o nome do filho era Aleixo Garcia Filho. Também vimos um site chamado ISA sobre as tribos do presente, uma delas era M’BYÁ de uma tribo indígena que fala tupi guarani. Nossa amiga Bia disse: essa aldeia é minha, é minha! E ela repetiu, repetiu e foi muito legal ver o site, porque tinha uns nomes muitíssimos estranhos que todos começavam a rir e também descobrimos onde eles moravam e quantas pessoas tem em cada tribo.
            Nós fomos na aldeia M’BYÁ, passamos pela escola depois fomos numa cabana e fizemos uma trilha, depois disso ficamos conversando, descemos e fomos à lojinha onde compramos arco e flecha. E também vimos dois filhos bem pequenos e fofinhos, filho de um índio que fez a trilha com a gente no nosso passeio. Foi bem legal e assustador, eu e minhas amigas Ana e Manu nos perdemos enquanto nós fazíamos a trilha gigante, depois achamos nossa professora Juliana que nos ajudou a achar o caminho para voltar. Depois ficamos conversando com os colegas.
            Para fazer a maquete tivemos que reler os oito textos que são esses:
“Mar Tenebroso”, “ Em Busca de Aventuras”, ”Pindorama”, “Terra à Vista”, “Os Grandes Descobrimentos”, “Indígenas Catarinenses” e “Homens de Sambaqui” em grupos, anotamos tudo que tínhamos que trazer de brinquedos como: vaca, cabra, galinha, etc. E também vimos o que íamos fazer na maquete como: Europa, europeus, mar, índios, Brasil, naus e caravelas. Também deu trabalho porque a maioria das crianças queriam o mesmo para ficar no grupo, no final ficamos eu, a Luiza e o Bernardo Bolonha.
           Fizemos bonecos que são esses: castelo, armas, reis, súditos, calabouço, Escola de Sagres, nove naus, um barco, um capitão, crianças, barbeiros, escrivão, padres, pessoas doentes, pau-brasil, índios e europeus lutando, franceses invadindo, floresta tropical, palmeiras, casas, roupas, ornamentos, rede, monstros misteriosos, água fervente, pedra imã, igreja, placa, índios caçando, pescando e colhendo. Montamos a maquete para avaliar se o tamanho estava bom, e quanto precisava aumentar, e combinamos com nossa professora esquecida que era para trazer balestilha, quadrante e astrolábio que a nossa professora ainda não trouxe, ela já anotou quatro vezes e não se lembrou...

Lívia
Revisores: Lívia, Lucas, Mateus e professora Juliana

O.B.S.: As crianças escreveram individualmente um relato sobre a maquete que foi revisado várias vezes ao longo do semestre e, agora, é postado para que todos possam ler.
Professora Juliana

Relato sobre a Maquete - Mateus


Florianópolis, 30 de agosto de 2012.
Mateus 

Relato sobre a construção da maquete

     Nós do 4° ano lemos vários textos. Olha só um exemplo: “Primeiros Habitantes”, um texto que aprende onde os índios se localizavam no Brasil. Outro texto chamado ”Pindorama”, onde mostra onde algumas tribos se localizavam no Brasil. Outros como “As Necessidades de Cada Um”,  esse texto fala do que acontecia com os índios, exemplo: os índios eram escravos dos europeus. Pegavam o grande pau-brasil. Aí vão mais alguns textos: “Terra à Vista”, “Os Grandes Descobrimentos”, “Os Grandes Navegadores do Século XV e XVI”. Os textos falam de: índios e europeus,  navegadores e todos esses textos me trouxeram uma novidade.
     Os vídeos “Náufragos I e II”  eram  bem curtinhos, mas eu adorei (amei) aquele dia. Naquele vídeo eu vi pela primeira vez um branco que virou um índio, porque geralmente os índios são “negros”. No site ISA cada um escolheu uma tribo e nós vimos que no DF não tinham índios. Infelizmente eu não lembro de mais nada.
     No dia 9 de agosto de 2012 nós do 4° ano fomos para uma aldeia chamada “M’Bya”. Um homem chamado Richard nos mostrou uma trilha e ele falou  que lá tinha puma, gavião, aranha, cobra etc…
     Na trilha nós subimos até o topo e descemos, fomos para a escola deles e descemos novamente e fomos para a loja deles.
     Daqueles 6 textos que eu falei alguns deles nós usamos para ver o que fazer na maquete. Com os textos nós anotamos o que íamos trazer ou o que fazer. Depois nós separamos os grupos e eu estou na parte do Brasil.
     Então nós fomos construir todas as coisas da Europa, europeus, do mar, dos índios, do Brasil e das caravelas e naus. Depois nós montamos a maquete para ver se o espaço estava bom, mas não estava. Os últimos preparativos foram: a Ju contornar os 3 continentes (África, América e Europa) e trazer umas cópias e copiar e pintá-las.


Revisores: Mateus, Ana Luiza, Luísa e Juliana


O.B.S.: As crianças escreveram individualmente um relato sobre a maquete que foi revisado várias vezes ao longo do semestre e, agora, é postado para que todos possam ler.
Professora Juliana

segunda-feira, 19 de novembro de 2012

Relato sobre a Maquete - Victor Gouvêa

Florianópolis, 30 de agosto de 2012.
Victor Gouvêa


Relato sobre a Construção da Maquete

Nesse ano meu grupo está fazendo uma maquete. No semestre passado lemos alguns textos, os títulos são: Povoamento da Ilha, Primeiros Habitantes, A Ocupação Humana no Brasil, Pindorama, Terra à Vista, Os Grandes Descobrimentos, Em Busca de Aventuras e As Necessidades de Cada Um. Aprendi muitas coisas, por exemplo: os navegadores achavam que no Oceano Atlântico, existiam monstros marinhos, água fervente e pedras imã, que puxavam os navios para baixo da água.
No fim do semestre passado vimos um ‘filme’ chamado Náufragos 1 e 2. Foi muito legal, aprendi que alguns índios são canibais e um cara chamado Aleixo Garcia foi explorar terras, acabou casando com uma índia, e teve um filho chamado Aleixo Garcia Filho. Ah, vimos um vídeo musical chamado Pindorama. Fomos em um site chamado ISA. Cada um escolheu uma tribo e aparecia: quantos habitantes, onde se localizam e qual é a família se é M’Bya... Também vimos os índios isolados. Vimos também quantas aldeias tem em cada estado. Ah, o site ISA tem as informações atualmente.
Nós fomos visitar uma aldeia indígena M´Bya. Fomos até Biguaçu de topic, subimos um pouco um morro, vimos a escola deles, subimos e descemos uma morranca (morrão) cheia de mata atlântica. No caminho vimos árvores medicinais, nos mostraram as casas deles como eram antes e como são atualmente e depois fomos na loja de artesanato. Daí fomos embora.
Depois relemos os oito textos de novo para relembrar as coisas para fazer a maquete. Anotamos tudo em vários papéis. Ah, nós fizemos grupos para ler os textos e fazer as coisas da maquete. Montamos toda a maquete para avaliar o tamanho. Não deu certo. Agora temos que acabar todos os últimos preparativos combinados.

              Revisores: Victor, João, Júlia e Juliana.      


O.B.S.: As crianças escreveram individualmente um relato sobre a maquete que foi revisado várias vezes ao longo do semestre e, agora, é postado para que todos possam ler.
Professora Juliana

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Trabalho com as estagiárias da UFSC: nossas cartas.

     Estamos conhecendo duas estagiárias da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) que estudam Pedagogia, os nomes delas são Arlene (Nena) e Vanessa (Nessa). Elas estão trabalhando com a gente sobre cartas, estão fazendo estágio na nossa sala. Com este estudo nós fizemos dois painéis onde colocamos cartas que nós fizemos na primeira aula que elas nos deram. A Nena e a Nessa observaram a nossa professora antes de dar aulas. 
     Elas pediram se a gente tinha cartas ou envelopes para ter de modelo no painel. Propuseram uma brincadeira que é a "correspondência secreta", que ainda vai acontecer. Cada criança pegou o nome de outra criança da sala para fazer uma carta como estamos aprendendo.




Assinado: 4º Ano